]]>
E-mail
Senha
Manter conectado
5 dicas para amenizar as fraudes online em sua loja
Mantenha a segurança e por consequência a boa reputação
Por Tiago Bosco em 20/03/2017
Compartilhe no Facebook!Compartilhe no Facebook!



Colaborou com essa reportagem: AbraHosting (Associação Brasileira de Empresas de Infraestrutura de Hospedagem na Internet) - http://abrahosting.org.br e UOL Host (www.uolhost.com.br)

Infelizmente, não é raro ouvir histórias de pessoas que tiveram seus cartões clonados, furtados ou foram vítimas de algum tipo de golpe nos quais produtos foram comprados em seu nome, sem seu consentimento.

Na maioria destas situações, a empresa responsável pelo cartão bloqueia o cartão de crédito quase imediatamente, impedindo que novas compras sejam feitas e estornando o valor para a pessoa prejudicada. Mas o lojista, muitas vezes, só vai saber que a compra foi cancelada um bom tempo depois!


Um estudo realizado recentemente pela Konduto, solução antifraude para e-commerces, revelou que quem vende pela internet pode demorar até 180 dias, ou seja, praticamente 6 meses, para descobrir que o pedido foi fraudulento.

Considerando que a maioria dos produtos e serviços são entregues muito antes desse prazo, não é difícil constatar que os criminosos que fizeram o pedido já estarão em posse das compras antes que o lojista descubra o que aconteceu.

Os números da Konduto apontam que 0,05% dos chargebacks (reembolsos pelas vendas que não são reconhecidas pelo dono do cartão) são recebidos em até 5 dias, 6,26% em 10 dias, 46,36% em 30 dias, 91,82% em até 90 dias e 99,57% em até 180 dias.

As lojas que têm um alto índice de fraudes detectadas também podem acabar recebendo multas por chargeback, tendo seus pedidos negados pelos bancos e até perder o direito de receber pagamentos com certas bandeiras de cartão. Imagine a perda de público e recebimentos que isso pode gerar.
Além de gerar prejuízo e decepção para a empresa, a fraude ainda pode deixar o consumidor bastante inseguro, e ele pode não voltar a comprar em sua loja.

Por tudo isso, é necessário que os donos de e-commerce se protejam ao máximo, tanto para evitar que dados sejam interceptados em suas transações, como para garantir que o pedido recebido é legítimo e será pago corretamente. Confira algumas dicas para isso:


#1 Tenha um certificado de segurança
Todos os sites devem ser seguros, mas quem vende pela internet e trabalha diariamente com transações bancárias e dados confidenciais precisa de uma camada de proteção extra. Você pode deixar seu site ainda mais seguro utilizando uma hospedagem confiável e contratando um certificado de segurança SSL.

Esse último elemento é responsável por incluir um cadeado ao lado da URL do site e sinalizar para o usuário que ele está navegando em uma página segura, mas também oferece uma proteção extra, já que criptografa todos os dados recebidos e enviados, evitando que pessoas mal-intencionadas possam interceptá-los.

#2 Fique de olho no cliente e no seu padrão de compra
O João é seu cliente fiel, e uma vez por mês faz compras com você. Seu tíquete médio médio de compras, normalmente, é entre 150 e 200 reais. Mas um dia você recebe um pedido do João de 9 mil reais, sem parcelamento nem nada.

É uma compra que foge bastante ao padrão de compra do João, não acha? Pode ser que ele tenha fechado um ótimo contrato, recebido uma bonificação de fim de ano ou que alguém tenha clonado seu cartão e está fazendo compras em seu nome.

Por segurança, quando você perceber que um cliente frequente está fazendo uma compra muito fora do que ele costuma consumir, vale a pena analisar o caso com cuidado e confirmar se ele realmente foi o autor daquele pedido.

#3 Use um meio de pagamento seguro
Utilizar uma ferramenta de pagamento que faça a intermediação entre o recebimento do valor do produto e a entrega pode ajudar muito a evitar fraudes. O PagSeguro é um dos meios de pagamento mais seguros que existem e tem proteção contra fraudes para proteger você, lojista, e o seu consumidor.

#4 Invista na tecnologia
Existem diversos sistemas antifraude no mercado e é uma boa ideia pesquisar e investir em um deles. Outra opção é recorrer ao Big Data Analytics, que analisa o comportamento do consumidor e detecta compras fraudulentas em tempo real, dando ao varejista a oportunidade de evitar que o pedido seja aprovado e a mercadoria deixe o estoque.

O custo pode ser um pouco mais elevado do que outras estratégias, mas, considerando a assertividade e os gastos que você terá com um número grande de fraudes combatidas, provavelmente é uma boa opção.

#5 Confirme, confirme, confirme
Ainda que você já tenha recebido o pagamento, antes de liberar o produto para entrega utilize todos os meios possíveis para confirmar o pedido com o consumidor. Em casos de fraude, normalmente apenas o cartão de crédito é comprometido, mas contatos como e-mail e telefone não.

Quando se tratar de um cliente recorrente, verifique primeiro se mudou os contatos de seu cadastro. Se não, envie uma confirmação por e-mail, sms ou ligue para ele para confirmar a compra.

Entenda que fraudes podem acontecer
Mesmo que você garanta que seu sistema é seguro e acompanhe o consumidor para ter certeza de que tudo está correto, não podemos dizer que exista um e-commerce que seja à prova de fraudes.

Por isso, é necessário aceitar que as fraudes existem e podem acontecer com você. Entender essa realidade é muito importante para que você possa criar uma análise de risco e um plano de ação ? que deve englobar conciliação, contestação e auditoria - caso isso venha a acontecer.

Fontes: Academia UOL Host (www.uolhost.com.br/academia) e Konduto (www.konduto.com.br)

Compartilhe no Facebook!Compartilhe no Facebook!

Comentário(s)