]]>
E-mail
Senha
Manter conectado
Tipografia Rio 2016
McDonald`s, O Boticário e Nokia são outros projetos de Fabio Haag
Por Tiago Bosco em 20/01/2014
Compartilhe no Facebook!Compartilhe no Facebook!

Um marco na história da tipografia brasileira. O maior evento do planeta. Um typedesigner de renome internacional. Combinação perfeita para a criação da fonte oficial dos Jogos Olímpicos Rio 2016, trabalho que durou cerca de oito meses e foi comandado pelo gaúcho Fabio Haag (@fabiohaag).

Diretor da Dalton Maag na América do Sul, Fabio fala sobre sua carreira, seus trabalhos e conta as peculiaridades e desafios encontrados por ele e sua equipe no projeto Rio 2016. Confira.




Fabio Haag


WIDE Atualmente, você é diretor da Dalton Maag na América do Sul e um dos profissionais mais reconhecidos na área da tipografia. Como surgiu este seu envolvimento pela arte tipográfica?
FABIO HAAG
É engraçado, isso parece ser algo que sempre esteve comigo. Há alguns anos encontrei os meus cadernos escolares, do tempo em que eu era criança, e fiquei surpreso ao ver ali vários estilos de caligrafia diferentes, mudando de uma hora para a outra. Lembrei também que eu era muito perfeccionista naqueles cadernos - eu preferiria arrancar a página e reescrever tudo a deixá-la rasurada.

Aos 18 anos, trabalhando com design gráfico, a tipografia já recebia uma atenção especial em meus trabalhos. Mas comecei a levar a sério mesmo a partir de 2002, após um workshop com quem um dia se tornaria meu sócio, o Bruno Maag. Foram quatro dias intensos de design tipográfico e o Bruno lembra até hoje da intensidade deste workshop - ele havia perdido a voz no último dia.

Nos meses que se passaram comecei a praticar em todo o tempo livre que encontrava e descobri que gostaria de viver de design tipográfico; isso se tornou o meu sonho. Na minha opinião, era o design na sua forma mais pura - apenas formas básicas, preto e branco, com uma função clara para cumprir, mas ainda assim, envolto por uma aura artística. Não percebemos, mas toda a civilização que temos hoje depende da tipografia. Isso tudo me conquistou.

"Criar uma fonte completa baseada nas poucas letras e números Rio 2016 foi extremamente difícil"


WIDE Antes de ingressar na Dalton Maag, você fundou a primeira foundry do Sul do Brasil e teve seus projetos expostos em mais de nove países. O que esta fase profissional representou para a sua carreira?
FABIO HAAG
Naquela época, era a minha empresa de design gráfico que pagava as contas e a tipografia era um hobby, mas havia se tornado uma paixão, era preciso transformá-la em um negócio. Então, criei a ByType, uma marca que reunia as minhas fontes e serviços tipográficos. Comercializava fontes de varejo através do MyFonts e da T-26, além de realizar alguns poucos serviços corporativos, incluindo um para o Governo do Estado de Minas Gerais. Este foco em tipografia aqui no Rio Grande do Sul era novidade, e logo comecei a receber convites para palestrar e realizar workshops. Devido à minha aproximação com a Dalton Maag, assinamos uma parceria que permitia à ByType comercializar as fontes da Dalton Maag para brasileiros, com um grande desconto exclusivo. Essa fase foi muito importante, tanto como aprendizado como para conhecer pessoas interessantes do mercado.


Tipografia Rio 2016


WIDE Um dos seus mais recentes trabalhos que merece destaque foi o projeto tipográfico dos Jogos Olímpicos Rio 2016, que durou cerca de oito meses e gerou 5.448 caracteres diferentes. Quais foram os maiores peculiaridades e desafios encontrados por você e sua equipe no desenvolvimento desse projeto?
FABIO HAAG
Foram vários desafios, do início ao fim. Criar uma fonte completa baseada nas poucas letras e números Rio 2016 foi extremamente difícil, especialmente porque a construção do lettering original é bastante informal e variada. Chegamos a desenvolver outros 23 conceitos antes de chegarmos na versão aprovada. Todas as versões anteriores possuíam claramente origem no lettering Rio 2016 já existente, porém, algo parecia estar faltando nestes resultados. Nos distanciamos dos computadores e voltamos a pegar em canetas caligráficas, como havíamos feito inicialmente, porém agora, como já havíamos percorrido um longo caminho, a solução final emergiu naturalmente. Neste momento, cada nova letra, número ou acento que fosse desenhado, se encaixava perfeitamente no conceito tipográfico. Para replicarmos o ritmo e a espontaneidade do design do lettering na fonte, foram necessários estes 5.448 glifos e uma série de funcionalidades OpenType, o que representou um grande desafio também na etapa final, de engenharia da fonte.


Fabio Haag e a tipografia Rio 2016

WIDE Você já projetou fontes corporativas para grandes marcas como McDonald"s, Toyota, O Boticário, Nokia etc. Quais são as principais diferenças e necessidades em produzir para estas empresas se comparamos, por exemplo, com o trabalho Rio 2016?
FABIO HAAG
Cada cliente, cada projeto, traz as suas necessidades específicas que precisam ser atendidas. Neste sentido, não há diferenças fundamentais entre estes projetos. Mas é interessante comentar que em projetos corporativos - e incluo aqui o do Rio 2016, pois é uma fonte sob encomenda -, nós temos uma função clara a cumprir, um briefing muitas vezes restritivo para solucionar, e isso nem sempre fica claro ao público. Por exemplo, quando lançamos a nova tipografia para a Nokia houve muitas críticas pelo conceito tipográfico neutro utilizado, analisando-a fora de contexto. No ano seguinte, ela recebeu o prêmio Design of the Year do London Design Museum.


WIDE Qual projeto tipográfico de sua autoria você mais gosta?
FABIO HAAG
Certamente a fonte para os Jogos Olímpicos Rio 2016 me deixa extremamente orgulhoso, porém, se é necessário escolher apenas um projeto, o meu favorito é o da fonte corporativa para a Petrobras, lançada no ano passado. Isso porque tivemos uma grande liberdade de exploração do caminho tipográfico mais adequado e pudemos trabalhar lado a lado com o estúdio LED Project, desenvolvendo a tipografia ao mesmo tempo em que os outros elementos da identidade eram projetados. O resultado é extremamente coerente, funcional e lindo - na minha opinião, claro.


Projeto tipográfico para a Petrobras


Projeto tipográfico para a Nokia

Compartilhe no Facebook!Compartilhe no Facebook!

Comentário(s)